Arrow to expande the menu options Loading
Pai a trocar a fralda de um bebé
pais

tornar-se um pai: experiências compartilhadas para os pais.

2 minutos

16/09/2020

Se está prestes a tornar-se um pai pela primeira vez, a sua cabeça entrará em ação, a pensar em todas as questões que surgem.

Muitas vezes, a excitação do nascimento de um filho é acompanhada de alguns nervos. O seu companheiro vai ficar bem durante o trabalho de parto? O seu filho será saudável? Como irá lidar com aquelas noites sem dormir, quando terá de cuidar do seu filho durante o dia? Será fácil relacionar-me com uma criança quando regressar ao trabalho?

Falar sobre os seus medos

Não existe um guia para ser pai, embora as mães sejam frequentemente incentivadas a discutir as suas preocupações e lutas, os pais podem, por vezes, serem esquecidos e sentirem-se inclinados a não falar. Afinal, em comparação com o que as mulheres passam – dar à luz, amamentar, etc. – as suas preocupações são um grande problema?

Sim, elas são.

Ambos os pais têm papeis relevantes na unidade familiar, por isso, se houver algo que o incomode, não tenha medo de o admitir. Para ajudá-lo, conversámos com alguns pais sobre as suas experiências e como os mesmos lidaram com qualquer adversidade que surgiu.

Primeira vez na sala de parto

“Houve momentos durante o trabalho de parto em que me senti um total inútil”, diz James, pai de Joseph, três anos. “Em uma certa altura, a minha namorada estava com tantas dores que simplesmente não conseguia relacionar-me com ela. E mesmo que conseguisse, não havia nada que eu pudesse fazer ou dizer para fazê-la sentir-se melhor.

Todos os funcionários na sala tinham algo a fazer e eu, estava ali, sentindo-me um estranho. No entanto, as parteiras necessitavam de saber o que tinha acontecido e, por isso, faziam-me questões, como quando as águas rebentaram e a que horas chegamos ao hospital, por isso era bom poder ajudar de alguma forma.

Depois, a minha namora recebeu uma epidural, as coisas acalmaram e eu consegui estar lá para ela, trazer as suas bebidas ou tudo o que ela precisasse. Quando chegou a hora de fazer força, limitei-me a dar apoio e em dizer o quão ela estava a ir e no quão perto estava de terminar. Nem podia acreditar no quanto ele se parecia comigo! Foi a sensação mais estranha que já senti, mas a que mais me surpreende quando olho para trás!

Dad spending time with baby

Um pai que fica em casa

“A minha esposa não tinha sido promovida há muito tempo para um cargo sênior, quando engravidou da nossa filha, Evie”, diz o pai Stefan. “Eu, por outro lado, estava à procura de uma mudança na carreira, fiquei durante anos em um trabalho mal remunerado de que não gostei. Nenhum de nós queria deixar a Evie em um berçário, então decidimos que eu ficaria em casa após o término da licença de maternidade da minha esposa. Comecei a ficar muito nervoso com o regresso da minha esposa ao trabalho, principalmente por causa do dinheiro, pois teríamos de viver com menos dinheiro do que estávamos habituados.

Tornamo-nos mais conscientes do orçamento, mas é viável. Reduzimos os “luxos” que podemos dispensar facilmente como, os pacotes de TV e os pedidos takeaways, para garantir que tínhamos dinheiro suficiente para os itens essenciais, bem como dias de folga e, pelo menos, umas boas férias por ano. Naqueles dias em que fico preocupado antes de termos uma “planilha” do orçamento, lembro-me de quanto tempo de qualidade eu passo com a minha filha e rapidamente lembro-me das minhas prioridades!”

Dad looking after toddler

Perder o seu filho

“Eu lutei muito contra o sentimento de que estava a perder o crescimento do nosso filho Jay” diz o pai Jamie. “De manhã passava um pouco de tempo com ele e depois corria para tomar banho e dormir, o que não era um tempo de qualidade com ele. Era difícil ser honesto com a minha esposa, ela estava em baixo e eu não a queria sobrecarregar. Mas, quando lhe contei o que sentia, ela ficou aliviada por eu querer passar mais tempo com o nosso filho. Agora nos fins de semana, passar um tempo a sós com ele é algo importante para mim. Tenho um assento na parte da frente da minha bicicleta para que ele possa andar comigo, o que é ótimo. Além disso, tento tirar um dia de folga a cada 15 dias, para passar o dia apenas com ele, o que ajudou muito.”

Ser pai é uma experiência incrível, mas isto não significa que não exista pressão, cansaço e stress; por isso, se tiver alguma dúvida, saiba que não está sozinho. Lembre-se, as preocupações nunca são um sinal de fraqueza, apenas demonstram que se preocupa.

Contacte nos

Junte-se a nós para notícias e atualizações.

Receba as últimas novidades sobre produtos e histórias da nossa comunidade. Prometemos não enviar qualquer tipo de lixo.

registrar