Arrow to expande the menu options Loading
pais a segurar gémeos
pais

partilhar o trabalho: licença parental & nova vida familiar com o novo bebé.

5 minutos

16/09/2020

Carregar a carga quando se torna pai, não é fácil. Em grande parte porque, a “carga” é enorme – tarefas domésticas, contas, empregos, creche, culinária – a lista continua. Mas isto não significa que seja impossível – com uma boa comunicação e força dos dois lados, até o par mais desorganizado pode parecer uma máquina bem lubrificada. Para ajudá-lo no seu caminho, perguntámos a outros pais o que eles enfrentaram durante as suas jornadas parentais e como eles conseguiram “dividir e conquistar”

Encontro a meio caminho

“Eu e o meu marido Mark, mudámo-nos de um apartamento de um quarto para uma casa de três quartos, alguns meses antes do nascimento do nosso filho. Esta transição “dupla” foi muito difícil”, diz a Laura, mãe da Elodie de três anos. “Honestamente, acho que a Elodie tinha cerca de 18 meses quando descobrimos como cuidar da casa e de uma criança, sem discutirmos!” “No primeiro ano ocorreram muitas discussões, senti que o Mark assumia que a responsabilidade das tarefas domésticas era minha, uma vez que eu ficava em casa com o bebé. Em retrospetiva, fui injusta, mas quando estamos em casa com um recém-nascido, até lavar a loiça é uma tarefa complexa; por isso, quando ele chegava a casa e deixava um prato na pia, eu ficava muito irritada. Além disso, ficamos tanto tempo “incapacitadas” – amamentação, entre outras coisas – que nos apercebemos do quanto é preciso fazer em casa! O Mark precisava de melhorar a sua atitude, e quando ele começou a perguntar o que era necessário fazer após o trabalho, foi muito bom. Quando eu voltei ao trabalho as coisas acalmaram um pouco. No final do dia, quando regressávamos a casa após um dia de trabalho, é que entravámos no nosso “emprego”. Enquanto eu coloco a Elodie na cama, ele cozinha. Enquanto eu lavo a loiça, ele passeia o cão, entre outras coisas. Apesar de tudo, conseguimos.”

Decidir quem faz o quê

“Eu e a minha companheira temos os nossos próprios negócios e trabalhamos quatro dias por semana”, diz John, o pai de Billy de 18 meses. “Assim que soubemos que iriamos ser pais, insisti em que nos sentássemos e conversássemos sobre quem faria o quê, até à responsabilidade de quem pagaria as contas! Todos gostam de pensar que tarefas triviais como as tarefas domésticas nunca serão problema para o relacionamento, mas, na verdade, já vi muitos casais que se esforçaram muito para resolverem as coisas, mas que gerou muita tensão."

Na verdade, não foi muito difícil, já que cada um de nós gostava de fazer certas coisas (eu não me importo de cozinhar, enquanto o Jason gosta de lavar a roupa) e, embora pareça muito mecânico, a verdade é que funciona para nós!

Não importa o método que utiliza para “dividir e conquistar”, você não está sozinho

Às vezes, é possível partilhar por completo o trabalho com as licenças compartilhadas

“Eu e o meu marido tivemos sorte, tivemos a oportunidade de compartilhar a licença parental – fui a cuidadora principal nos primeiros seis meses e nos três meses seguintes foi o Garret”, diz Alicia, mãe do Mason de dois anos. “Como trabalho em casa, foi perfeito o facto de o Garret assumir o controlo, pois iria continuar por perto para amamentar o Mason e vê-lo sempre que quisesse.”

Acabou por ser mais difícil do que estava à espera. Gareth estava sempre a pedir-me ajuda, fosse para carregar o carro ou apenas para ficar com o Mason enquanto ele tomava banho. Fiquei ressentida, pois nos primeiros seis meses não tive essa ajuda!

Mas também, eu estava sempre a dar conselhos a Gareth, o que, em retrospetiva, foi injusto para ele. Como resultado, acho que ele se sentiu controlado, o que o fez sentir inseguro.

Com toda a certeza que eu recomendaria a licença parental compartilhada. Gareth entende a realidade de estar em casa com um bebé, o que é inestimável. Além disso, tenho a certeza que foi criada uma ligação entre pai e filho muito importante. Acho que não importa quem sai ou quanto tempo está fora de casa, cuidar de um bebé nos primeiros meses, muda a sua vida, traz desafios e momentos de afirmação na vida.”

Contudo, a licença parental compartilhada nem sempre é possível…e malabarismo com um bebé de 9-5 pode ser complicado

“Quando regressei ao trabalho após a licença de maternidade, sinceramente senti-me como se fosse a única mãe que estava a trabalhar cinco dias por semana, mas financeiramente não era viável trabalhar a tempo parcial”, diz a Lucei, mãe de Leo de três anos."

“No início senti-me horrível, sentia-me culpada o tempo todo. A minha cabeça não estava no trabalho e corria para casa o mais rapidamente possível para ver o Leo. Senti que não estava a fazer nenhum dos meus trabalhos – maternidade ou emprego remunerado – muito bem.

Mas definitivamente ficou melhor – ele ama a creche, o que é uma grande ajuda. E, quando regressei ao trabalho, ganhei confiança e parei de me preocupar o tempo todo com o meu desempenho.

Ainda estou a tempo integral, mas consegui negociar um horário de trabalho mais flexível, para que as minhas horas se ajustassem às horas do Leo. Além disso, estou à espera do meu segundo filho, que nasce em alguns meses, pelo que estou ansiosa por passar mais tempo em família de novo.

Contacte nos

Junte-se a nós para notícias e atualizações.

Receba as últimas novidades sobre produtos e histórias da nossa comunidade. Prometemos não enviar qualquer tipo de lixo.

registrar