Arrow to expande the menu options Loading

Ajudar os pais a lidar com assaduras de fralda

7 minutos

18/03/2021

A assadura da fralda é a condição mais comum entre crianças pequenas, afetando 1 em cada 4 bebés.1 Também conhecida como dermatite da fralda, esta é uma condição complexa, marcada pelo comprometimento da função de barreira da epiderme das nádegas, região perianal, interior das coxas e abdómen.2 A especialista Dra. Stephanie Ooi explora a estrutura única da pele dos bebés, como esta pode ficar suseptível à assadura da fralda e as suas causas e riscos. Por fim, indica também conselhos práticos para ajudar os pais nas necessidades específicas de limpeza da pele dos bebés, durante este período.

uma mãe a mudar a fralda ao seu bebé

Quão comum é a assadura da fralda?

Observando a experiência de um bebé, a assadura da fralda pode causar bastante angústia aos novos pais mas, é importante relembra-los que esta condição é muito comum em crianças pequenas. É estimado que a assadura da fralda afeta até 25% de crianças que usam fralda em qualquer momento1, e pode afetar bebés de todas as idades..3 A incidência e severidade da assadura da fralda tem decrescido desde a introdução de fraldas descartáveis super absorventes e produtos de cuidados de pele hipoalergénicos.3-5

A estrutura única da pele dos bebés

A pele das crianças e bebés pequenos é única comparativamente com a de crianças mais velhas e adultos, em termos de estrutura, composição e função. Em bebés, a epiderme é 20% mais fina e o estrato córneo é 30% mais fino6, o que aumenta a suscetibilidade à permeabilidade e secura. No entanto, em contraste com adultos, a pele das crianças tem uma taxa de proliferação aumentada9, o que apoia a maturação da barreira da pele durante o primeiro ano de vida.

A pele de bebé é menos firme que a pele madura e tem uma tendência natural superior a aumentar a perda de água de dentro do corpo através da epiderme, e reduz a hidratação da camada superior da epiderme, refletindo uma função de barreira da pele menos eficaz.7,9 À medida que o rácio entre a superfície do corpo do bebé e o peso do corpo do bebé aumenta7, os agentes tópicos são mais prontamente absorvidos e podem assim ter efeitos mais pronunciados na pele do bebé.

Anatomicamente, a pele da área da fralda contém várias dobras e pregas, apresentando desafios em termos de limpeza eficiente e controlo do ambiente da pele, exceto se boas medidas e materiais forem identificados e cuidadosamente adaptados na routina base.10

Sabia que?

O desenvolvimento da barreira da pele em crianças pode permanecer incompleto até aos 12 meses,11 consistente com a ~3,5 x maior perda de água transepidermal (TWEL) observada na pele neonatal relativamente à pele madura.

Assadura da fralda – sintomas, causas e fatores de risco

Estas podem ser consideradas como leves, moderadas ou severas, sendo as leves a presença de pele irritada ligeiramente vermelha na área da fralda e severa caracterizada por feridas abertas, a sangrar.13 A assadura da fralda é habitualmente leve e pode ser tratada em casa.

Factos rápidos

  • É habitual que cadas criança tenha pelo menos um episódio de assadura da fralda até já estar treinada a usar o bacio14

  • A assadura da fralda pode variar em severidade: de uma amostra de pacientes, foi reportado que 58% tinham uma assadura ligeira, 34% moderada e 8% severa15,16

  • É habitual que durante o nascimento dos dentes ou durante o desmame os bebés se tornem mais propensos a ter assaduras da fralda17

Está bem establecido na literatura científica que a exposição à humidade e oclusão da área da fralda podem contribuir para a irritação local, redução da resiliência da pele, impedimento da função de barreira e, por último, para a dermatite.18 Quando a pele se torna hidratada, é especialmente vulnerável a danos mecânicos e escoriações devido à fricção da fralda, permitindo que irritantes biológicos e químicos penetrem o estrato córneo.10,20 Estes irritantes, nomeadamente componentes da urina e enzimas fecais podem levar ao acumular de amónia derivada da ureia urinária, resultando no aumento do pH da pele do bebé.19 Consequentemente, este aumento de pH da pele desencadeia lípases e protéases fecais, sendo ambas dos principais contibuidores para o desenvolvimento de assadura da fralda.20

São limitados os estudos que investigam os fatores de risco associados com a assadura da fralda em bebés. Um estudo concluiu que a prevalência de assadura da fralda está associada com a maturidade infantil, as formulas alimentares para bebés e o nível de presença de C. albicans.16 Num outro estudo, foi demonstrado que as assaduras da fralda recorrentes estavam associadas ao aumento da idade do bebé, à falta de utilização de creme de barreira e frequência de troca de faldas, enquanto que a assadura não recorrente, foi demonstrado estar associada à candidíase oral, episódios de assadura da fralda anteriores e frequência de troca de fraldas.21

O uso de antibióticos e diarreia também são considerados fatores de risco no desenvolvimento de assadura da fralda.19,22,23 Por último, as crianças amamentadas parecem ser menos suscetiveis a assaduras da fralda, uma vez que, as fezes têm um pH mais baixo. Os sais biliares nas fezes promovem a ativade das enzimas fecais, agravando o efeito.14

Preparar os pais para a assadura da fralda

Se os pais estiverem preocupados com a assadura da fralda, por favor, relembre-os que os médicos e restantes profissionais de saúde estão lá para ajudar. Aqui ficam algumas sugestões para ajudar os pais a prevenir a assadura da fralda

Cuidar da área da fralda

A limpeza delicada e eficaz da zona da fralda pode parar o ciclo de assadura da fralda nos bebés restabelecendo a hidratação da pele, eliminando a irritação e equilibrando os níveis de pH da pele.

O NICE (The National Institute for Health and Care Excellence) criou alguns passos chave para os pais e cuidadores seguirem, para gerir a assadura da fralda:24

  • Ar

    • Deixar a criança sem fralda durante o máximo de tempo possível para ajudar a pele a secar na zona da fralda.

  • Trocar a fralda frequentemente

    • Limpar a pele e trocar a fralda todas as 3-4 horas, ou assim que possível após molhar ou sujar a fralda, para reduzir a exposição da pele à urina e fezes

    • Usar água, ou toalhitas sem fragrância e sem álcool para proteger a barreira da pele25

    • Aplicar um creme barreira (tipo e aplicação dependem da severidade dos sintomas)

  • Não é necessário dar banho diariamente

    • Evitar banhos excessivos (mais de duas vezes por dia) que podem secar a pele excessivamente. Secar após lavar.

    • Evitar sabão, banhos de espuma, loções, pó de talco ou antibióticos tópicos que possam ter um efeito irritante e destabilizar o pH da pele268

Se a assadura não melhorar após estes passos,deve ser considerada a consulta médica.20

Ter uma boa higiene també é importante

Os pais devem estar equipados com a educação necessária em técnicas de higiene:

  • Lavar as mãos antes e depois de cada troca de fralda para prevenir contaminação20

  • A limpeza deve ser feita da frente para trás20

  • Manter as mãos dos bebés limpas, ter cuidado com os seus comportamentos mãos-boca pode ajudar a reduzir ou prevenir a transmissão oral de patogénios. Os pais devem prestar particular atenção à pele na área da face, que pode ser facilmente irritada por leite, comida e saliva2

O papel das toalhitas na gestão e prevenção da assadura da fralda

Enquanto as toalhitas de pano ou o algodão e água eram tradicionalmente consideradas como o mais alto nível para a limpeza da área da fralda, estudos recentes têm consistentemente demonstrado, em várias configurações clínicas, como algumas toalhitas de bebé proporcionam uma limpeza eficaz, sendo também toleráveis e suaves, apoiando o seu uso até na delicada pele neonatal.20,27-31 Para além disso, tem sido demonstrado que as toalhitas de bebé não estão associadas ao aumento da irritação da pele, quando são utilizadas as toalhitas sem fragância e sem álcool disponíveis no mercado, em comparação com as toalhitas de pano ou com o algodão com água.25 Adicionalmente, os pais reportaram que as toalhitas de bebé são mais convenientes de usar do que o algodão e água.28,32

uma mãe a mudar a fralda ao seu bebé

Bebés limpos com WaterWipes têm uma incidência e duração mais baixa de assadura da fralda

Um novo estudo, com 698 mães, publicado na Pediatrics and Neonatology, demonstrou que as mães que usaram WaterWipes na pele dos seus bebés apresentaram uma incidência de assadura mais baixa (19%), quando comparada com os bebés limpos com a marca um (25%) ou a marca dois (30%). Por cada dia com assadura experienciada pelos bebés limpos com WaterWipes, a assadura teria durado aproximadamente 50% mais, se a mães tivessem utilizado as outras marcas (1,69 dias com a marca dois e 1,48 dias com a marca um). As outras marcas são comercializadas como suaves e delicadas o suficiente para a pele de recém-nascidos mas contêm mais ingredientes que WaterWipes. Esta é a primeira investigação deste tipo, revelando que diferentes formulações de toalhitas para bebé podem afetar a integridade da pele dos bebés.33

WaterWipes são delicadas na pele mais sensível

Contendo apenas dois ingredientes, 99,9% água de elevada pureza e 0,1% de extrato de fruta, as WaterWipes são tão delicadas que podem ser usadas na pele de bebés prematuros.

As WaterWipes são produzidas sob condições de limpeza, usando uma tecnologia purificante única. A água passa por um processo de purificação de sete etapas que usa uma série de filtros para remover impurezas, suavizar e purificar a água. Este processo de purificação torna a água significativamente mais pura do que água fervida arrefecida e produz um produto único que limpa a pele eficazmente, sem necessidade de adicionar outros ingredientes de limpeza.

O extrato de fruta contém polifenóis naturais e vitamina C e atua como um delicado condicionador e agente de limpeza da pele.34

WaterWipes são mais puras que algodão e água

Após a revisão de literatura científica, uma equipa independente de peritos da Skin Health Alliance validou que as WaterWipes são mais puras que algodão e água.

WaterWipes são mais puras que algodão e água

As WaterWipes são recomendadas pelos assistentes de parto e outros profissionais de saúde em todo o mundo e têm-se tornado nas toalhitas preferidas de muitas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais na Irlanda, Reino Unido, Portugal, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia.

*Assadura da fralda moderada a severa

References
Down arrow

1. Ravanfar,P., Wallace,J.S. and Pace,N.C. (2012) Diaper dermatitis: a review and update. Current Opinion in Pediatrics. 24(4), 472-479. [Abstract]

2. Telofski LS, Morello AP 3rd, Mack Correa MC, Stamatas GN. (2012) The infant skin barrier: can we preserve, protect, and enhance the barrier?. Dermatol Res Pract. 198789. doi:10.1155/2012/198789

3. Cohen, B. (2017) Differential diagnosis of diaper dermatitis. Clinical Pediatrics 56(5S), 16-22. [Abstract]

4. Visscher, M.O. (2009) Recent advances in diaper dermatitis: etiology and treatment. Pediatric Health 3(1), 81-98.

5. Atherton, D.J. (2016) Understanding irritant napkin dermatitis. International Journal of Dermatology 55(Suppl 1), 7-9. [Abstract]

6. Stamatas, G., Nikolovski, J., Luedtke, M., et al, 2010. Infant skin microstructure assessed in vivo differs from adult skin in organization and at the cellular level. Pediatric Dermatology 27, 125–131 Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19804498 Last accessed: 4 September 2018.

7. Cooke, A, Bedwell, C, Campbell, M, et al (2018) Skin care for healthy babies at term: A systematic review of the evidence. Midwifery 56: 29–43 https://www.midwiferyjournal. com/article/S0266-6138(17)30354-6/pdf [last accessed March 2020]

8. Leung, A., Balaji, S., Keswani, S G., 2014. Biology and Function of Fetal and Pediatric Skin: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3654382/

9. Oranges, T., Dini, V., Romanelli, M., Skin Physiology of the Neonate and Infant: Clinical Implications. Advances in Wound Care 2015: 4(10): 587-595. Available at https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4593874/. Last accessed 19 October 2019.

10. Adam R. Skin care of the diaper area. Pediatric Dermatology. 2008;25(4):427-433.

11. Nikolovski J, Stamatas G, Kollias N, Wiegand B: Barrier Function and Water-Holding and Transport Properties of Infant Stratum Corneum are different from adults and continue to develop through the first year of life. J Investig Dermatol 2008;128:1728–1736.

12. Cork MJ, Danby SG, Vasilopoulos Y, Hadgraft J, Lane ME, Moustafa M, Guy RH, MacGowan AL, Tazi-Ahnini R, Ward SJ: Epidermal Barrier Dysfunction in Atopic Dermatitis. J Investig Dermatol 2009; 129:1892–1908.

13. Oakley A. (1997) Napkin Dermatitis. DermNet NZ https://www.dermnetnz.org/topics/napkin-dermatitis

14. Argwal, R. 2018. Diaper Dermatitis https://emedicine.medscape.com/article/911985-overview#a5 [last accessed March 2020]

15. Atherton DJ. (2004) A review of the pathophysiology, prevention and treatment of irritant diaper dermatitis. Curr Med Res Opin. 20:645-649

16. Jordan, WE , Lawson, KD , Berg, RW (1986) Diaper dermatitis: frequency and severity among a general infant population. Pediatr Dermatol; 3: 198–207

17. Khan, N. (2014) Nappy rash: prevention and cure. Nursing In Practice https://www.nursinginpractice.com/nappy-rash-prevention-and-cure [last accessed March 2020]

18. Berg RW. (1998) Etiology and pathophysiology of diaper dermatitis. Adv Dermato, 3:75–98

19. Merrill, L. (2015), Prevention, Treatment and Parent Education for Diaper Dermatitis. Nursing for Women's Health, 19: 324-337. doi:10.1111/1751-486X.12218

20. Wesner, E., Vassantachart, J.M., Jacob, S.E. 2019. Art of prevention: The importance of proper diapering practices,

International Journal of Women's Dermatology 5:4, 233-234, http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2352647519300103 [last accessed March 2020]

21. Adalat, S , Wall, D , Goodyear, H : Diaper dermatitis - frequency and contributory factors in hospital attending children. Pediatr Dermatol 2007; 24: 483–488

22. Li, C & Zhu, Z & Dai, YH. (2012). Diaper Dermatitis: A Survey of Risk Factors for Children Aged 1 – 24 Months in China. The Journal of International Medical Research. 40:1752-60 https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/030006051204000514

23. Campbell, R.L., Bartlett, A.V., Sarbaugh, F.C. and Pickering, L.K. (1988), Effects of Diaper Types on Diaper Dermatitis Associated with Diarrhea and Antibiotic Use in Children in Day‐Care Centers. Pediatric Dermatology, 5: 83-87. doi:10.1111/j.1525-1470.1988.tb01143.x

24. NICE (2018) Na Campbell, R.L., Bartlett, A.V., Sarbaugh, F.C. and Pickering, L.K. (1988), Effects of Diaper Types on Diaper Dermatitis Associated with Diarrhea and Antibiotic Use in Children in Day‐Care Centers. Pediatric Dermatology, 5: 83-87. doi:10.1111/j.1525-1470.1988.tb01143.xppy rash - Scenario: Management of nappy rash, https://cks.nice.org.uk/nappy-rash#!scenario [last accessed March 2020]

25. Fernandes J.D., Machado, M.C.R., Oliveira, Z.N.P (2011) Children and newborn skin care and prevention. Anais Brasileiros de Dermatologia http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0365-05962011000100014&script=sci_arttext&tlng=en [last accessed March 2020]

26. Van Onselen, J. (2018) Spotlight: tackling nappy rash in infants. British Journal of Family Medicine, https://www.bjfm.co.uk/napkin-dermatitis-in-infants-overview-and-current-treatment-guidance [last accessed March 2020]

27. Visscher, M., Odio, M., Taylor, T., White, T., Sargent, S., Sluder, L., ... & Huebner, A. (2009). Skin care in the NICU patient: effects of wipes versus cloth and water on stratum corneum integrity. Neonatology, 96(4), 226-234.

28. Lavender, T., Furber, C., Campbell, M., Victor, S., Roberts, I., Bedwell, C., & Cork, M. J. (2012). Effect on skin hydration of using baby wipes to clean the napkin area of newborn babies: assessor-blinded randomised controlled equivalence trial. BMC pediatrics, 12(1), 59

29. Garcia B.N, Massoudy L, Scheufele R, Ekkehart D.M, Proquitte H, Wauer R, Bertin C, Serrano J, Blume- Peytavi U (2012) Standardized diaper care regimen: a prospective, randomized pilot study on skin barrier function and epidermal IL-1a in new borns Pediatric Dermatology 29(3):270–276

30. Odio, M., Streicher-Scott, J., & Hansen, R. C. (2001). Disposable baby wipes: efficacy and skin mildness. Dermatology Nursing, 13(2), 107

31. Blume‐Peytavi, U, Kanti, V. Prevention and treatment of diaper dermatitis. Pediatr Dermatol. 2018; 35: s19‐ s23. https://doi.org/10.1111/pde.13495

32. Furber C, Bedwell C, Campbell M, Cork M, Jones C, Rowland L, Lavendar T (2012) The challenges and realities of diaper area cleansing for parents. Journal of Obstetric, Gynecologic and Neonatal Nursing, 00:1-13.

33. Price AD, Lythgoe J, Ackers-Johnson J, Cook PA, Clarke-Cornwell A, MacVane Phipps F (2020) The BaSICS (Baby Skin Integrity Comparison Survey) Study: a prospective experimental study using maternal observation to report the effect of baby wipes on the incidence of irritant diaper dermatitis from birth to eight weeks of age. Pediatrics & Neonatology: doi:10.1016/j.perneo.2020.10.003. [Epub ahead of print]

34. Burnett, C. 2017. Safety Assessment of Citrus Plant- and Seed-Derived Ingredients as Used in Cosmetics. Cosmetic Ingredient Review. http://www.cir-safety.org/sites/default/files/cplant122016rep.pdf, last accessed 12 March 2020

registe-se para receber a nossa newsletter de cuidados de saúde.

Deixe-nos o seu e-mail para o mantermos informado. Acreditamos que menos é mais, por isso só iremos enviar-lhe apenas atualizações essenciais.

Confirmo que tenho mais de 16 anos de idade e que li e concordo com os Termos e Condições e que li a Política de Privacidade.

Assinale aqui se quiser receber e-mails da WaterWipes relacionados com os nossos produtos e com quaisquer ofertas especiais ou promoções que possam estar a decorrer. Pode retirar o consentimento para receber materiais de marketing a qualquer altura contactando-nos através de [email protected]